Cerveja artesanal: Escolas cervejeiras

How to Tell If Your Draft Beer Lines Are Dirty

CONHEÇA AS ESCOLAS CERVEJEIRAS

 

Você já ouviu falar em escolas cervejeiras? Muita gente ainda não conhece ou confunde o que são essas escolas, não vai pensando que são escolas que ensinam sobre cervejas. A realidade é que são grandes nações que tiveram influência importante na produção, criação e história da cerveja em todo o mundo.

Essas são 4 as escolas cervejeiras:

  • Alemã
  • Belga
  • Inglesa
  • Americana

Alguns países têm uma tradição cervejeira de milhares de anos como, por exemplo, as escolas alemã, belga e inglesa. A escola americana não é a mais antiga, ocupou seu espaço no universo cervejeiro a pouco tempo em comparação com as outras 3, existem ainda paises e escolas que ainda estão procurando seu lugar ao sol, como por exemplo a nossa escola brasileira.

Escolas Cervejeiras: as principais características.

Escola Alemã

Flag

Talvez a mais popular de todas, são os criadores das Lagers, família de cervejas mais consumidas do mundo, todos nós já consumimos e muito. A tradição germânica é regida pela Lei da Pureza de 1516, determinando que cerveja de verdade deveria ser feita com somente 3 ingredientes: malte, água e lúpulo (a fermentação ainda era desconhecida na época). Até hoje é um princípio respeitado pela indústria cervejeira alemã.

Outras características:

  • Lealdade à cultura regional e cerveja local
  • Resistência às grandes corporações e aquisições
  • Cada cidade, vila ou bairro tem sua pequena cervejaria

A maioria dos estilos produzidos por lá são as Lagers (cervejas de baixa fermentação), como Pilsen, Helles, Bock, Schwarzbier. Outra tradição alemã são as cervejas de trigo da Bavária e o consumo em grandes festas coletivas, como a Oktoberfest de Munique.

Escola Belga

Bandeira da Bélgica

Aqui a ousadia é a principal característica, a criatividade não tem limites.

Outras características:

  • Muitas receitas sem estios determinados
  • Mais realce ao frutado e ao malte do que ao lúpulo
  • Nunca tiveram uma “Lei da Pureza”, logo perdura até hoje a utilização de diversas especiarias, como sementes de coentro, anis estrelado, cardamomo e cascas de laranja amarga.

Tradição do Serviço:

Tem riqueza de tipos de copos, cada estilo de cerveja tem seu estilo de copo.

Cuidados no serviço das garrafas, cuja as cervejas muitas vezes ainda contém fermento.

Alguns estilos famosos são Saison, Belgian Blond Ale, Tripel, Quadrupel e Strong Dark Ale.

Na Bélgica são produzidas as cervejas mais cultuadas do mundo: as trapistas, feitas nos monastérios por monges, que atendem as exigências e podem utilizar a “marca” a seguir.

Escola Inglesa

File: Flag Almirante dos Brancos 1702 a 1864.png

Essa escola muito tradicional, tem em sua maioria cervejas mais amargas e secas, com muito sabor, mas não tão fortes.

Principais características:

  • Hábito de beber com os amigos, em rodas de discussão, em pubs.
  • Elevado consumo de draught beer (cerveja em barril).
  • Cerveja em barris do tipo keg e cask (CAMRA).
  • Tradição principal de Porters e Pale Ales.
  • Normalmente os estilos são menos carbonatados e apresentam menos espuma.

A escola inglesa é outra que é marcada pelas Ales, com estilos robustos como Porter, Stout, Bitter e English India Pale Ale entre os mais conhecidos.

E por lá a fabricação artesanal não para de crescer.

Escola Americana

Bandeira dos Estados Unidos da América

A partir dos anos 1970, o domínio dos europeus começou ver o crescimento de um novo jeito de pensar a cerveja. Nos Estados Unidos, um movimento de cervejeiros artesanais mudou a forma como a bebida era feita no país e a partir dos anos 1990. Fazendo uma releitura de receitas tradicionais, de outras escolas cervejeiras, dando um toque americano em tudo. Os insumos americanos são marcantes, principalmente os lúpulos.

Principais características:

  • Escola marcada por intensidade, exageros.
  • Inspiração, na maioria dos casos, em estilos ingleses e belgas.
  • Grande utilização de lúpulo, principalmente variedades americanas.
  • Intensifição de teor alcoólico.
  • Atual tendência local: Sour Ales e madeira.

Porém há uma certa resistência entre pessoas do ramo, em reconhecer essa escola.

Alguns dos principais estilos dessa escola são: American Lager, American Pale Ale, American IPA, Pumpkin ALE, American Porter, American Strong ALE, American Barleywine.

 

Mas e o Brasil?

Ainda não tem o reconhecimento como escola cervejeira, mas o caminho já começou a ser trilhado e vem se destacando muito no mercado mundial, ganhando prêmios de relevância internacional. Com ingredientes nativos e processos de produção com a criatividade que só o brasileiro tem, é questão de tempo para o Brasil ser reconhecido como uma escola cervejaria.